Poesia de Cordel

Carregando...

sábado, 21 de maio de 2011

Oliveira de Panelas



Oliveira de Panelas: Natural de Panelas-Pe- nasceu a 24 de maio de 1946. Aos 9 anos de idade já começou fazer poesia. Na década de 50/60 percorreu o Estado de Pernambuco e Alagoas cantando repente.
Teve que trabalhar de auxiliar de pedreiro, mas nunca abandonou a viola. Trabalhou na difusora de Garanhuns no período 62 a 70, como titular do programa “Violas de Repentes,”no qual cantava em parceria com Manoel Bezerra Diniz.
Morou em São Paulo durante alguns anos, no bairro do Brás, fazendo repentes no “Recanto dos Poetas.”Foi sócio-fundador da Associação de Repentistas, Poetas e Folcloristas do Brasil, também em São Paulo. Em 1972 ganha seu primeiro lugar num Festival de Violeiros em Celso Garcia-SP.Representou o Estado de Pernambuco em São Paulo no 1o. Congresso de Repentistas Nordestinos.
Sua fama foi crescendo mediante inúmeras apresentações e aí foi convidado pela Rede Globo em 1974, para se apresentar no programa “Fantástico”. Aí fez parceria com José Francisco de Souza.
Seu primeiro disco foi gravado na Coletânea de Repentistas, com repentes variados. Seus temas são bem atuais; Oliveira de Panelas é um cantador moderno. Até pela imprensa internacional da França, Portugal, Itália, Estados Unidos ele é enfocado. Inclusive participou do Salão do Livro em Paris.
Já cantou para o Papa João Paulo II e para o nosso consagrado cantor Roberto Carlos. Gravou cerca de 15 discos e CD. Publicou quase uma dezena de livros de poesia inúmeros cordéis e folhas soltas.
Foi presidente da Associação de Poetas Repentistas do Brasil durante anos e promoveu mais de uma dezena de Encontro Nacional de Poetas Cantadores do Brasil. Possui Certificado como violeiro, outorgado pela Ordem dos Músicos do Brasil.
Oliveira de Panelas encontra-se na Paraíba há mais de duas décadas. Já foi titular de programas de rádio, a exemplo na Rádio Tabajaras, com “O Nordeste Canta”, em parceria com o seu parceiro de vinte anos, o então também grande repentista Otacílio Batista.O poeta utiliza em seus versos o senso humorístico, a métrica tradicional, a sextilha. Entre tantas de suas poesias interessantes, citamos “Frei Damião de Bozzano no coração do povo,”“O Encontro de Tancredo com Tiradentes no Céu,” “Debate de Lampião com São Pedro” e outros.
Entre alguns dos seus livros, citamos: “Poemas Alternativos”, em parceria com o poeta José de Souza;”“O Comandante do Planeta Médio”; Poesia Liberdade”; “Poemas Iluminados”, “Dois Poetas do Povo e da Viola” em parceria com o poeta Otacílio Batista; “José Lins do Rego em Versos de Cordel”, lançado no Fenart 2001.
Não se pode numa ligeira biografia, dizer da grandeza do poeta Oliveira de Panelas; seu valor transcende. É um poeta que escreve seus versos, é cantador, repentista, que já ecoou ao som de sua viola, de norte ao sul deste imenso país.


Nunca Transforme em Vermelho
O Sinal Verde da Vida

 Oliveira de Panelas*

É louvável quem respeita
Os sinais de advertência
Se a esquerda é preferência
Nunca passe pra direita.
A estrada não foi feita
Pra ser pista de corrida
Ao cruzar a Avenida
Mire-se bem neste espelho
Nunca transforme em vermelho
O sinal verde da vida.

Repare bem o motor,
Viaje com confiança,
O cinto de segurança
Coloque pra onde for,
Examine o extintor,
Se a carga está vencida,
Não se torne um homicida
Por causa deste aparelho
Nunca transforme em vermelho
O sinal verde da vida

Não dirija embriagado,
Evite a fatalidade,
Não corra em velocidade,
Nunca viaje drogado,
Se caso estiver cansado,
Tente achar uma dormida,
Evite numa batida
Ferir mão, braço e joelho.
Nunca transforme em vermelho
O sinal verde da vida.

No congestionamento,
Nunca perca a esportiva,
Dirija na defensiva,
Fique atento ao movimento,
Cuidado como cruzamento
Olhe a faixa proibida,
É grande quem não liquida
Sequer a vida de um coelho
Nunca transforme em vermelho
O sinal verde da vida.

Prossiga a viagem em paz,
Seja feliz no retorno,
Jamais tente com suborno
Comprar os policiais,
Pois um suborno não faz
A vida restituída
Depois da vida perdida
É tarde, não há conselho.
Nunca transforme em vermelho
O sinal verde da vida

Um comentário:

  1. Meu caro amigo poeta aprendi admira-lo desde quando cantava com Otacilio Batista, escutava com meu pai, e ao crescer hoje me dedico a escrever cordel, e sempre tive o desejo de lhe conhecer pessoalmente meu nobre poeta.Faz duas semanas que entrei no banco do Brasil da 1817 e quando estava no caixa percebi quando alguém falava no seu nome, e quando me virei lhe avistei poeta e disse:-É hoje que realizo meu sonho em falar com o maior repentista da Paraiba a voz nordestina, mais infelismente enquanto eu concluia a operação no caixa que olho pra onde o senhor estava, já tinha saindo, sai as pressas pra fora do banco e não lhe avistei mais. Tenho a maior vontade de pelo menos apertar a sua mão e ouvir sua voz pessoalmente e tirar uma foto, não sei se vou realizar esse meu desejo.Agora quero parabenizar pelo cordel do sinal muito legal parabéns amigo.

    ResponderExcluir